Livros

Como se Moesse Ferro

Como se Moesse Ferro

(contos). Porto Alegre: WS Editor, 1999.

Meu primeiro livro, a que chamaram de contos. Escrevi histórias curtas, entre 1992 a 1999, sob o encanto da linguagem e num momento ingênuo de descobertas. Creio que acertei no título: as histórias sempre me pareceram duras, apesar do tanto de barroco da escrita. Os desenhos são meus, a nanquim, feitos com as ferramentas do chargista. Resistem Muito o que falar, narrativa dupla onde, pela primeira vez experimentei a troca de narradores, algo que seria recorrente mais tarde, e Advertência, narrativa alegórica em que se destacam o ritmo e as imagens. Como se moesse ferro e Humano, textos que abrem e fecham o livro, foram ganhadores do Prêmio Guimarães Rosa, da Radio France Internationale, em 1994 e 1999. O livro saiu graças ao esforço de Sérgius Gonzaga e Walmor Santos. Como se moesse ferro alcançou uma final de Prêmio Jabuti e o Açorianos de 2000. Um leitor me disse que, enquanto no primeiro conto o ferro se humaniza, no último ocorre o inverso. Embora nunca tivesse pensado nisso, creio mesmo que é verdade.